Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SAPO Zen

Comunicação Não Violenta – 3

Patrícia Dias continua a nos explicar as técnicas utilizadas por este método que nos possibilita comunicar de forma não violenta.

 
Será, se assim se pode chamar,  uma ferramenta que nos ajudará a comunicar melhor e a chegar ao outro mais facilmente e de maneira eficaz.
 
Há sempre uma forma de transformar a comunicação violenta numa comunicação não violenta. Será apenas uma questão de postura e de reprogramação. Um treino que a princípio poderá parecer difícil mas que com o tempo torna-se a base da nossa forma de comunicar.
 
Utilizado em diversos países, este método bastante novo em Portugal destina-se a comunicação em qualquer vertente em que ela se dê.
 
Na família, no trabalho ou na escola a Comunicação Não Violenta é sem dúvida nenhuma algo que nos ajuda e prepara para viver melhor, principalmente por nos ensinar a não reagir no mesmo tom agressivo com que somos frequentemente confrontados, mesmo que não tenhamos contribuído para tal.
 
No meu entendimento a Comunicação Não Violenta é uma arma para desarmar o outro e a nós mesmos, naquele tipo de acção que muitas vezes é perpetrada de forma inconsciente, numa espécie de incontinência verbal que nos assola.
 
Pensar melhor, comunicar melhor e viver melhor – talvez seja uma boa fórmula, não é mesmo?
 
Heloisa Miranda
sapozen@sapo.pt
 

 

 

A Comunicação Não Violenta pela Academia de Comunicação
 
No dia-a-dia, no emprego, na família, na relação com o cônjuge, numa ida ao supermercado, as relações humanas nem sempre são fáceis. A única maneira que temos para lidar com as pessoas é através da comunicação e nem sempre conseguimos evitar gritar ou dar uma resposta mais 'torta'. Torna-se fundamental que saibamos comunicar de forma saudável, responsável, sem atribuir culpas a ninguém e fazendo com que em conjunto se chegue a uma solução para todos os problemas, mesmo os mais graves.
 
A Comunicação Não-Violenta está a dar os primeiros passos em Portugal, enquanto noutros países da Europa (como Espanha, Alemanha, França e Inglaterra) e fora da Europa (especialmente nos Estados Unidos), a sua utilidade e os seus resultados já estão comprovados: 75% dos problemas entre as pessoas (empresas, famílias, cônjuges)  estão relacionados com mal-entendidos por falta de diálogo, já que nenhuma das partes o sabe encetar sem deixar que orgulhos e iras interfiram a dar o primeiro passo.
 
Agredimos, ofendemos, somos agredidos e ofendidos e a espiral de violência cresce. E cresce, sobretudo, dentro de nós, que somos os principais prejudicados.
 
 A Comunicação deve ser um processo não-agressivo,  capaz de transmitir ideias úteis, aceitando dos outros quer o «sim», quer o «não», a fim de gerar o diálogo.
  
 
 
A Entrevistada:

 

 

 

 
Patrícia Dias, licenciada em Comunicação Social pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) da Universidade Técnica de Lisboa, não se entusiasmou pelo jornalismo, mas sim pelas ciências sociais e humanas em maior profundidade e pelo processo da comunicação utilizado pelos media. Após três anos como jornalista, decidiu enveredar pelo mundo editorial dos livros. Enquanto coordenadora editorial, os seus contactos e as suas pesquisas levaram-na a tomar conhecimento com diversos autores,  a re-analisar o processo da comunicação e a descobrir a Comunicação Não-Violenta do psicólogo clínico Marshall Rosenberg, através da obra do jurídico Thomas d'Ansembourg. O estudo de líderes que conquistaram massas através da comunicação, levou-a a nomes sonantes como Mahatma Gandhi, Winston Churchill e Oprah Winfrey. Estas pessoas detém o segredo da comunicação e sabem expressar-se por forma a mover multidões - as massas que mudam os países.
Patrícia Dias concluiu que em Portugal a CNV é praticamente inexistente, pelo que era urgente começar a divulgar e aplicar as metodologias do processo no nosso país. Criou assim, em 2008, a Academia dos Sentidos, local que pretende que seja, por excelência, o veículo de divulgação da CNV em Portugal, pois os valores da Sociedade estão a mudar e a violência é um traço muito marcante, que começa na atitude cada um de nós. 
 
Contactos
 
Patrícia Dias
Acalentar Emoções- Academia de Comunicação
R. das Pretas, 33, 1.º - Lisboa
(saída Metro da Avenida)
Tl.: 912 257 852
Email: a.sentidos@gmail.com
Web: //acalentaracademia.tk