Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SAPO Zen

Relacionamentos de Peixes 3

 

 
 
Peixes X Balança ( água x ar)
 
 
São ambos super sensíveis, sentimentais e afectivos o que no amor à partida pode parecer ideal. Mas não podemos esquecer que o cerebral Balança pode entrar em choque com o intuitivo pisciano.
 
O nativo de Balança elabora, mentaliza enquanto o de Peixes sonha.
 
Alias, será muito difícil para o balança conviver com o inacessível mundo de sonhos do pisciano.
 
Não se esqueçam de que ninguém tem tanta habilidade para conseguir manter um mundo próprio, intocável para onde foge como os nativos de peixes, o que o deixa praticamente intocável para o comum dos mortais.
 
No meio de tanta afectividade que  possa existir entre ambos, podem perder-se.
 
No entanto em qualquer tipo de relação é bom que façam com que o ar de balança provoque movimentos nas muitas vezes paradas águas de peixes.
 
 
 
Peixes x Escorpião (água x água)
 
 
Bem… não há nada a fazer:  é uma relação fantástica!!! 
 
Sob o ponto de vista de quem tem os mesmos valores e gostos que esses 2 não poderão encontrar um parceiro que os complemente tanto. Um mundo de sentimento, intuição. Aqui o sentir é o que conta, e entre estes dois não dá para definir quem tem maior capacidade para sentir, è uma vocação nata em qualquer dos dois!
 
Terão enormes afinidades, adivinham-se e compreendem-se sem ser preciso falar. Acho que conseguem saber o que o outro pensa até pelo cheiro! A comunicação e o entendimento são profundos a todos os níveis.
 
No plano físico o entendimento também será perfeito marcado por uma sensualidade e sexualidades fortíssimas.
 
Podemos dizer que têm verdadeira fascinação um pelo outro.
 
Na vida prática, com tanta água junta, vão ter dificuldades em lidar com os aspectos práticos e burocráticos do dia a dia.
 
 
 
Peixes X Sagitário ( água X fogo)
 
Possuem muitos gostos comuns, o que poderá facilitar a relação.
 
O pisciano irá fazer vir ao de cima todo o romantismo que por vezes está escondido no sagitariano.
 
No entanto, não é uma relação fácil, e dependerá muito dos ascendentes que ambos tenham .
 
O sagitariano com a sua razoável falta de tacto poderá ferir o nativo de peixes que é extremamente sensível.
 
A generosidade e o idealismo do peixes irá encantar o sagitariano.
 
As dificuldades irão surgir quando o nativo de peixes tentar prender o sagitariano, o que o obrigará a fugir. Não se esqueçam que eles quanto mais se sentem presos mais fogem…
 
O sagitariano terá que aprender que o nativo de peixes vive buscando a aceitação do mundo e que busca sempre muito carinho e atenção. Terá que se dedicar muito a ele. Atenção e dedicação a 100% é a chave do segredo para conseguir uma bela relação entre ambos!
 
 
Heloisa Miranda
sapozen@sapo.pt
 
 
 
 

Hipnose Condicionativa 4

 

 
 
 
 " A MENTE HUMANA NÃO É FÍSICA, OS REGISTROS MENTAIS NELA CONTIDA SÃO APENAS E SIMPLESMENTE "ENERGIA", QUE COMBINADAS, GERAM OS SENTIMENTOS, EMOÇÕES, PENSAMENTOS, ATITUDES, ETC., CULMINANDO EM ESTÍMULOS E AÇÕES FISIOLÓGICAS, METABÓLICAS, DE MOBILIDADE E COMPORTAMENTO."
                                                                                       Luiz Carlos Crozera
 
 
“Hipnose Condicionativa (Registro Direitos Autorais - IGAC-MC: 4396/2006 para mais de 90 países), descoberta na década de 80 pelo terapeuta brasileiro Luiz Carlos Crozera, que após anos de pesquisas e aprimoramento consagrou-se como autor das técnicas de CONDICIONAMENTO MENTAL, a mais nova linha da hipnose clínica, empregando o bloqueio direto do emocional negativo, sem necessidade de investigar a vida de uma pessoa (rastreando a memória do momento presente até o período de gestação, empregado em todos os tipos de medos, traumas, fobias, síndromes e abalos emocionais; para cada ano de vida é gasto 45 segundos no processo de bloqueio do emocional negativo), ao contrário da hipnose clássica que trabalha investigação de memória pela regressão, ficando o paciente exposto ao terapeuta (sofrologia).
 
Na Hipnose Condicionativa não são trabalhadas sugestões, nem metáforas, comumente usadas nas técnicas da hipnose ericksoniana. Emprega-se mecanismo de condições para a mente humana na forma de ordem e comandos. O paciente fica passivo, não fala com o terapeuta durante a sessão, esta linha da hipnologia também adopta mecanismos com gatilhos condicionados aos sentidos de percepção e comportamento, voltados ao meio e ao metabolismo que são implantados na mente do paciente, esta técnica também emprega terapia de energização, projecção/progressão mental, resignificação, activação do relógio biológico, entre outras, abreviando o resultado terapêutico em qualquer patologia, elevando a auto-estima (fator primordial para imunologia orgânica), equilibrando o centro emocional, reduz a ansiedade em situações adversas (factor que desencadeia o stress, a depressão, hipertensão, insónia, diabete emocional, desestabilização metabólica do organismo, descontrole do centro emocional, lapsos de memória, entre outros). A Hipnose Condicionativa não é uma junção ou fusão de técnicas, mas sim uma nova linha da hipnologia, projectando a verdadeira “saúde”, onde nenhum componente químico pode entrar – “na mente humana”- solução inovadora!. Adopta-se o método subliminar para levar uma pessoa ao sono terapêutico (estado de transe), onde o censor crítico (racional) é afastado durante o relaxamento, criando o estado alterado de consciência, a mente passa não analisar, nem criticar as informações que são recebidas mediante a voz do terapeuta. Esta técnica tem contribuído para melhoria da qualidade de vida, actuando também na saúde preventiva e coadjuvante à medicina convencional. “
 
 
 
O Convidado:
Prof. Luiz Carlos Crozera, brasileiro, natural da cidade de Jaú, Estado de São Paulo, nascido em 10 de Janeiro de 1959, casado, pai de três filhas, é Autor das técnicas de condicionamento mental, empregada na hipnose clínica, fundador e Diretor do Instituto Brasileiro de Hipnologia, pesquisador da hipnologia desde 1972, os primeiros contactos com a ciência da hipnose ocorreram na infância, transferidas de pai para filho.
Em 1983, Crozera entra na área da ciência da computação, ministrando cursos de linguagem de programação, em sua própria escola, vendo a dificuldade que muitos alunos tinham para o aprendizado e memorização, resolve empregar a hipnose como coadjuvante ao método de ensino, alcançando resultados surpreendentes, sem jamais ter feito um curso de hipnose.
Paralelamente, Crozera exercia outras actividades, buscando sempre se aprofundar nos conhecimentos da hipnologia, somaram-se até hoje 34 anos de pesquisas autónomas e independentes, sem apoio governamental e/ou institucional.
Seguiram-se  fases de inúmeros desafios, em 1993 apostando em sua técnica, resolve apresenta-la ao médico cardiologista Dr. Augusto Santomauro, de São Paulo, que naquela oportunidade dirigia o Departamento Clínico do SPA MED Guarujá-S.P., centro de referência para pessoas portadoras de obesidade, interessou-se pelo assunto e deu oportunidade para que Crozera lhe apresentasse suas técnicas, satisfeito com o que assistiu, resolve convida-lo para  que retornasse no dia seguinte, para mais uma demonstração, Dr. Augusto forma uma junta médica para avaliar as técnicas de Luiz Carlos Crozera, na presença de cinco médicos do Hospital das Clínicas de São Paulo (dois cardiologistas, psicóloga, director de UTI e endocrinologista), presenciam atentamente o paciente no estado de sono terapêutico, ligado a um electrocardiograma digital, onde ficou constatado que somente com comando de voz, a freqüência cardíaca foi diminuindo, partindo de 68-70 bpm até chegar 21-23 bpm, com aplicação da técnica de relaxamento e indução ao sono terapêutico desenvolvida por Crozera. Durante o estado de transe, os batimentos oscilavam de 21-23 bpm chegando até 130 bpm, quando o paciente era colocado em situação de altíssima ansiedade, caindo para 21-23 bpm em poucos segundos, apenas com um comando de voz, encerrada a sessão de demonstração, os médicos se reúnem para informar que se houvesse condições de controlar a freqüência cardíaca e respiratória de uma pessoa, em estado normal de consciência, baixando a ansiedade, sem dependência química nem terapêutica, certamente seria uma das maiores conquistas das ciências humanas, pois milhões de pessoas poderiam ser beneficiadas, entre elas os portadores de diversas enfermidades graves, como hipertensão e diabete. Baseando-se em  experiências anteriores, Crozera aprimora e se aprofunda ainda mais nas pesquisas, naquela mesma semana testa, o que mais tarde denominou condicionamentos mentais, com resultados muito acima do esperado, baptizando este novo método de HIPNOSE CONDICIONATIVA, surgindo então a mais recente linha na história da hipnologia clínica, que desde 1927 nada de novidade havia aparecido neste campo.
 
Contacto:
http://groups.msn.com/HIPNOSECLINICA
 
HIPNOSECLINICA@groups.msn.com
 
 
 

Comunicação Não Violenta – 7

 

 
 
Patrícia Dias continua a nos explicar as técnicas utilizadas por este método que nos possibilita comunicar de forma não violenta.
 
Será, se assim se pode chamar, uma ferramenta que nos ajudará a comunicar melhor e a chegar ao outro mais facilmente e de maneira eficaz.
 
Há sempre uma forma de transformar a comunicação violenta numa comunicação não violenta. Será apenas uma questão de postura e de reprogramação. Um treino que a princípio poderá parecer difícil mas que com o tempo torna-se a base da nossa forma de comunicar.
 
Utilizado em diversos países, este método bastante novo em Portugal destina-se a comunicação em qualquer vertente em que ela se dê.
 
Na família, no trabalho ou na escola a Comunicação Não Violenta é sem dúvida nenhuma algo que nos ajuda e prepara para viver melhor, principalmente por nos ensinar a não reagir no mesmo tom agressivo com que somos frequentemente confrontados, mesmo que não tenhamos contribuído para tal.
 
No meu entendimento a Comunicação Não Violenta é uma arma para desarmar o outro e a nós mesmos, naquele tipo de acção que muitas vezes é perpetrada de forma inconsciente, numa espécie de incontinência verbal que nos assola.
 
Pensar melhor, comunicar melhor e viver melhor – talvez seja uma boa fórmula, não é mesmo?
 
Heloisa Miranda
sapozen@sapo.pt
 
 
Link para os videos da entrevista sobre Comunicação Não Violenta:
 
http://videos.sapo.pt/sapozen/pesquisa.html?word=Comunica%C3%A7%C3%A3o+N%C3%A3o-Violenta&imageField.x=11&imageField.y=8
 
 
 
A Convidada:
 
Patrícia Dias desenvolve o projectoAcalentar Emoções Academia de Comunicação
 
 
Contactos:
 
a.sentidos@gmail.com
 
912257852.